13.2.18

[UPDATE 2] The River Plate flows into the Tagus: Cd. Clemente’s Note on the reception of Amoris Laetitia in Lisbon



I. Introducton

Cd. Manuel Clemente has been the Patriarch of Lisbon since 2013.

At the time, he was considered to be the “conservative” candidate, but in the 2014 extraordinary Synod he defended communion for adulterers and quoted Cd. Kasper (see previous post here).

Then, a few hours after the publication of Amoris Laetitia he stated publicly that there was no change, meaning "no communion for practicing adulterers" (see YouTube video here).

Afterwards, during the debates on Amoris Laetitia organized by the Portuguese Episcopal Conference, Cd. Clemente was seen as one of the conservatives, refusing a common statement by Portuguese bishops on this issue (see here)..

After the publication of the Buenos Aires guidelines he said that it was clear that the Pope allowed communion for adulterers in some cases and later promised to publish guidelines based on Amoris Laetitia, the Buenos Aires’s bishops’ letter and the guidelines of the Diocese of Rome, which he said served as a "reference" to other dioceses (see here).

On February 6, 2018 he published his “Note for the reception of Chapter VIII of the apostolic exhortation Amoris Laetitia”.

In this note, Cd. Clemente, explains to his priests how to “accompany” people in “irregular” situations" “in the road of discernment”. In order to do that, he quotes what he calls “three authorized documents”(notice the word "documents" which he will later mention in 5e): Amoris Laetitia (AL), the letter from the Buenos Aires region bishops and the guidelines issued to the “Diocese of the Pope (Rome)” by his Cardinal-Vicar (Cd. Agostino Vallini). The Cardinal recommends that all three documents should be read in full. He then proposes six “operative guidelines”.



The Cardinal starts by mentioning the three “authorized” documents.


II. Amoris Laetitia

Cd. Clemente quotes Amoris Laetitia §300, §303, §305, §307 and footnote 351.

Like in Amoris Laetitia, he mentions “the evangelical demands of truth and charity”, the “full ideal”, “the project of God in all its greatness” and excludes “the law of graduality”.

He then quotes the following excerpts from AL 303, AL 305 and footnote 351:
303. Naturally, every effort should be made to encourage the development of an enlightened conscience, formed and guided by the responsible and serious discernment of one’s pastor, and to encourage an ever greater trust in God’s grace. Yet conscience can do more than recognize that a given situation does not correspond objectively to the overall demands of the Gospel. It can also recognize with sincerity and honesty what for now is the most generous response which can be given to God, and come to see with a certain moral security that it is what God himself is asking amid the concrete complexity of one’s limits, while yet not fully the objective ideal. In any event, let us recall that this discernment is dynamic; it must remain ever open to new stages of growth and to new decisions which can enable the ideal to be more fully realized.

305. … Because of forms of conditioning and mitigating factors it is possible that in an objective situation of sin – which may not be subjectively culpable, or fully such – a person can be living in God’s grace, can love and can also grow in the life of grace and charity, while receiving the Church’s help to this end"

Footnote 351: “In certain cases, this can include the help of the sacraments…
The Cardinal also goes on to say that the access to the sacraments is “restricted” and “conditional”.



III. The Buenos Aires letter

Cardinal Clemente quotes the Buenos Aires letter published in the Acta Apostolicae Sedis by order of Pope Francis with the accompanying papal note stating that “there are no other interpretations”,and unambiguously states that the letter is “authorized” and “requires ... indispensable reception”.

He also writes that the Buenos Aires letter, “give us a sequence of application of the chapter” [AL chapter VIII], and goes on to summarize it in five bullets (I quote only the original document):
  • Firstly, we should remember that it is not advisable to speak of “permissions” to have access to sacraments, but of a discernment process in the company of a pastor. It is a “personal and pastoral discernment (AL 300)”… “This path does not necessarily finish in the sacraments; it may also lead to other ways of achieving further integration into the life of the Church: greater presence in the community, participation in prayer or reflection groups, engagement in ecclesial services, etc. (cf. 299)”.

  • a proposal may be made to resolve to live in continence. Amoris laetitia does not ignore the difficulties arising from this option (cf. footnote 329) and offers the possibility of having access to the sacrament of Reconciliation if the partners fail in this purpose (cf. footnote 364, recalling the teaching that Saint John Paul II sent to Cardinal W. Baum, dated 22 March, 1996)”… “In more complex cases, and when a declaration of nullity has not been obtained, the above mentioned option may not, in fact, be feasible. Nonetheless, a path of discernment is still possible. If it is acknowledged that, in a concrete case, there are limitations that mitigate responsibility and culpability (cf. 301-302), especially when a person believes he/she would incur a subsequent fault by harming the children of the new union, Amoris Laetitia offers the possibility of having access to the sacraments of Reconciliation and Eucharist (cf. footnotes 336 and 351). These sacraments, in turn, prepare the person to continue maturing and growing with the power of grace.

  • However, it should not be understood that this possibility implies unlimited access to sacraments, or that all situations warrant such unlimited access. The proposal is to properly discern each case. For example, special care should be taken of “a new union arising from a recent divorce” or “the case of someone who has consistently failed in his obligations to the family” (298). Also, when there is a sort of apology or ostentation of the person’s situation “as if it were part of the Christian ideal” (297). In these difficult cases, we should be patient companions, and seek a path of reinstatement (cf. 297, 299)… Where there have been unresolved injustices, providing access to sacraments is particularly outrageous”.

  • It may be convenient for an eventual access to sacraments to take place in a discreet manner, especially if troublesome situations can be anticipated.

  • "Discernment is not closed, because it “is dynamic; it must remain ever open to new stages of growth and to new decisions which can ena­ble the ideal to be more fully realized” (303), according to the “law of gradualness” (295) and with confidence in the help of grace.

The Cardinal adds: “We can conclude that, for the bishops who are signatories of this Note, discernment will not stop at what has happened or still happens, and must move towards a full conformity with the evangelical truth about marriage: cf. Mt 5: 31-32; 19, 3-9; Mk 10: 2-12; Lk 16, 18.”5
[My comment] The Buenos Aires letter which, according to Cd. Clemente is “authorized”, “requires its indispensable reception” and “give us a sequence of application of the chapter”, starts by : (1) Proposing continence; (2) where that is not “feasible” and there are “limitations that mitigate responsibility and culpability”, “Amoris laetitia offers the possibility of having access to the sacraments of Reconciliation and Eucharist”; (3) “These sacraments, in turn, prepare the person to continue maturing and growing with the power of grace…”. “Discernment …must remain ever open to new stages of growth and to new decisions which can enable the ideal to be more fully realized”.
As we shall see this is the template for Cd. Clemente's "operative guidelines".


IV. The diocese of Rome guidelines

In a previous statement, Cd. Clemente said that the Diocese of Rome serves as the "reference" for the other dioceses.

In his Note Cd. Clemente quotes The Cd. Vicar of the Diocese of Rome:
"How should this opening be understood? Certainly not in the sense of an indiscriminate access to the sacraments, as sometimes happens, but of a discernment that distinguishes properly case by case. Who can decide? From the mind and words of the author [Pope Francis], I do not think that there is any other solution than that of the internal forum. In fact, the internal forum is the favorable way to open the heart to the most intimate confidences, and if a relationship of trust with a confessor or spiritual guide has been established in time, it is possible to initiate and develop a long, patient conversion itinerary made of small steps and progressive checks. Therefore, it is only the confessor, at a certain point, in his conscience, after much reflection and prayer, that must take responsibility before God and the penitent, and ask that access to the sacraments be done in a reserved way. In these cases, the path of discernment (AL, 303: dynamic discernment) does not end in order to reach new stages in accordance with the full Christian ideal…" This preparation extends to "lay pastoral agents". 

Before the quote, Cd. Clemente makes the following comment: priests “do not replace or abandon consciences”.
[My comment] once again, we have two stages: (1) Access to the Sacraments; (2) new steps in the direction of the “Christian ideal”.


V. The 6 operative guidelines: The River Plate flowed into the Tagus

After quoting the Pope on the importance of Marriage preparation and formation (part IV of the note), Cd. Clemente goes on to list what he calls operative guidelines:

a)To accompany and integrate people into community life, following the post-synodal apostolic exhortations Familiaris Consortio, 84, Sacramentum Caritatis, 29 and Amoris Laetitia, 299 (see appendix)” – he included excerpts from the three documents. The Sacramentum Caritatis 29 (but not Familiaris Consortio 84) excerpt mention that communion is off-limits.

b)Check carefully the specificity of each case”.

c)Do not omit the presentation to the diocesan court, when there is doubt about the validity of the marriage”.

d)When validity is confirmed, do not fail to propose life in continence in the new situation”.

e)To attend to the exceptional circumstances and the sacramental possibility, in accordance with the apostolic exhortation and the documents mentioned above”.

[My comment] notice that the “documents mentioned above” are not Familiaris Consortio, 84, Sacramentum Caritatis, 29 and Amoris Laetitia, 299 or Mt 5: 31-32; 19, 3-9; Mk 10: 2-12; Lk 16, 18.

If this was so there would be no need for e) and f) and the reference to “exceptional circumstances”/"sacramental possibility" would make no sense at all. The reference to continence in d) would be quite enough.
Also, Scriptural references are not "documents" and Familiaris Consortio and Sacramentum Caritatis are only mentioned in 5a). OTOH, the "documents" are directly linked to  "the exceptional circumstances and the sacramental possibility"  which are not mentioned in Familiaris Consortio, 84 or, Sacramentum Caritatis, 29, but surprisingly are mentioned in Amoris Laetitia, the Buenos Aires letter and the Rome guidelines.
BTW, Cd. Clemente specifically says that the "accompaniment" process should take into account "the three documents" (notice the word "documents"): Amoris Laetitia, the Buenos Aires letter and the Rome diocese' guidelines (see "Nota...", I).

Cd. Clemente’s reference to the “above documents” include Amoris Laetitia - which he explicitly mentions -, the Buenos Aires letter which he calls “authorized” and of “require[d] and indispensable reception” and the Rome diocese's guidelines, which he says serve as a "reference" for other dioceses.
f)Continuing discernment, always adapting practice to the Christian matrimonial ideal and greater sacramental coherence”.
[My comment] Discernment does not start at this phase. Otherwise, the word "continuing" would be incomprehensible. This is the "dynamic discernment" mentioned in AL303,  quoted in the Buenos Aires Letter and in the Rome guidelines.

In everyone of these "documents", this "continuing" "dynamic discernment" occurs after the "sacramental possibility" in the case of "exceptional circumstances" because Pope Francis thinks that "These sacraments, in turn, prepare the person to continue maturing and growing with the power of grace.” (Buenos Aires letter, Cf. AL 305).

Also, if f) was not meant as a phase after absolution/communion, the expression "greater sacramental coherence" would not make sense. "Greater" than what, exactly?

[My comment] Note that this proposal is in line with Amoris Laetitia, the Buenos Aires Letter "sequence" and the Diocese of Rome guidelines. Continence is proposed, and when that is not feasible we find the stages mentioned before: (1) there’s the “sacramental possibility” in “exceptional circumstances” [e)]; (2) “Continuing discernment, always adapting practice to the Christian matrimonial ideal and greater sacramental coherence” [f)].

These are in fact just the “authorized” Buenos Aires guidelines which, in Cd. Clemente’s view, are of “require[d] and indispensable reception" and which include "a sequence of application" of Chapter VIII.

The River Plate flowed into the Tagus.


VI. The reception of Cd. Clements “Note…”

Agência Ecclesia - the bishops news agency - immediatly published a press release about the Lisbon guidelines, but it took a couple of days for Cd. Clemente’s “Note” to reach the main newspapers and TVs.

It was the daily Público – one of Portugal’s “newspapers of record” -, that broke the story in its front page: “Church advises sexual abstinence to remarried catholics”.



In spite of focusing on the call to abstinence “when previous marriages cannot be annulled”, Público correctly stated that the Cardinal’s note allowed public adulterers to go to communion in exceptional circumstances.(This is repeated in a follow-up article which collects reactions from priests and bishops).



When this became national news all hell broke loose.

Most people became scandalized with the call to chastity and continence (see Público article here), in spite of the fact that the previous Popes, Amoris Laetitia, the Buenos Aires guidelines and the Braga document also mention this.

Several priests criticized the Patriarch of Lisbon.

One of them, the well known Fr. Feytor Pinto, said that he would not obey Cd. Clemente; he would not ask people to live chastely (see Visão's article here)! He nevertheless recognized that the "Note..." allows communion for some practicing adulterers on a reserved manner.

Fr. Miguel Almeida, S.J., was more diplomatic (see his Observador column here). He congratulated Cd. Clemente for acting like a pastor, “including all sensibilities” present in the diocese of Lisbon and for being faithful to the Pope. He criticized the media for the unbalanced coverage and explained that continence is just a possibility among others (including communion)... He severely criticized (and judged !) the "small group" of catholics that consider that there is no way for practicing adulterers to go to communion. He accused them of being proud and disobedient towards this Pope and the bishops. In the past "this small group"demanded loyalty to the previous Popes, you see...

Fr. Bento Domingues, O.P.., on the other hand (see Expresso interview here), a long-time promoter of communion for adulterers (see 2006 post here) and other heresies, is very worried because, as a result of the public outcry, the general perception was that the catholic church demands chastity and continence from practicing adulterers !

The spokesman for the Patriachate of Lisbon, finaly managed to state that it is "reductive" to say that D. Manuel Clemente advises sexual abstinence, because it’s an advice from Pope John Paul II (see Observador article here). He stated: “There is here a way on the part of the Church to help these second unions to be more integrated in the life of the Church, even if NOT in all cases the way is sacramental communion" (in the original the phrase is “mesmo que NEM para todos os casos o caminho seja a comunhão sacramental“ – please note that Google mistranslates this. It’s not “in all cases the way is not sacramental communion” but “not in all cases the way is sacramental communion").

[My comments]
  1. On hearing of these reactions I’m reminded of St. Paul's prophesy “there shall be a time, when they will not endure sound doctrine; but, according to their own desires, they will heap to themselves teachers, having itching ears” (2 Timothy 4, 3).

  2. Apparently, allowing some practicing adulterers to go to communion is not enough. They want it all and won’t rest until, for all practical purposes, the 6th commandment is abolished.

  3. I also noticed that the front lines have moved. Conservatives are now stating that “in certain exceptional cases” practicing adulterers can go to communion, which was the position defended by their opponents a few months ago; on the "other side" we now have the people who just want to abolish the 6th commandment for all practical purposes.

    The "small group" of people who defends what the Church has always taught, was abandoned behind enemy lines and will have to seek shelter in the nearest catacomb.
P.S. Lifesite news article "Portuguese Cardinal declares acceptance of communion for adulterously remarried couples" and my comment.

11.2.18

Practical Instruction against the Amusements of Carnival (Fr. Goffine)


Image result for devil masked as devil

By these amusements we do not mean those brief and harmless recreations which are in conformity with the spirit of Christianity and the Church, but those noisy and wild festivities, lasting often through the day and night ; such as dances and masquerades, which in some places are customary before Ash- Wednesday.

Are such amusements of a Christian character and becoming Catholics?

Christianity enjoins self-denial, the suppression of sensuality, mortification, watchfulness, love of God above all things, a continual living in his holy presence, a careful use of time and care for one's household ; but on these occasions that we speak of, are not the sensual passions roused? is it not common to indulge in excesses, to make display of bad and scandalous conduct, to destroy health ? Does not experience show, that these days of carnival never pass by without the sins of drunkenness and impurity, without bringing misery upon individuals and families?


The Church, on the contrary, at this very time, wishes to prepare her children for penance, and accordingly brings before them the passion of Christ. How then can Catholics, unless they would deny their Mother, the Church, spend these days in revelling and drunkenness, as if they wished to indemnify themselves in advance, for the coming season of Lent ? Are such Christians entitled to call themselves disciples of Christ, children of the Catholic Church?


Many may say, "I neither think nor do evil by those pleasures." What then, good, perhaps ? Do you think of God, your salvation, your duties, and the dangers in which you are ? Again, are you then doing good works ? and does not he do evil, who omits good works ? Do you honor God in your revels ? Do you thereby show him your love ? You waste your time, your money, your health, and expose yourself to the danger of losing your good name and innocence ; is not this bad enough ? How many have perished by such occasions, and yet you will not profit by the lesson ?


Do not excuse yourself by saying that you need recreation ; as if that were to be called recreation, by which you lose your soul. is it that you do feel refreshed the next day ?

Away, then with such dangerous pleasures ! The joy of Christians should be to work and suffer with Christ, in order to rejoice eternally with him in the kingdom of his Father.

Aspiration,

O Jesus, who hadst so great a desire to suffer for our temporal and eternal good, grant that we, for thy sake, may hate all sensuality, but love mortification and the crucifixion of the flesh, and thereby merit to be freed from blindness of the soul, to know thee better, to love thee more fervently, and to possess thee forever. Amen.

Por estas diversões não nos referimos àquelas recreações breves e inofensivas que estão em conformidade com o espírito do cristianismo e da Igreja, mas às festas barulhentas e selvagens, que muitas vezes ocorrem durante dia e a noite; tais como danças e mascaradas, que em alguns lugares são costumeiras antes da quarta-feira de cinzas.

Essas diversões são de caráter cristão e próprias de católicos?

O cristianismo exige a abnegação, a supressão da sensualidade, a mortificação, a vigilância, o amor de Deus acima de todas as coisas, uma vida continuamente na Sua Santa Presença, um uso cuidado do tempo e o cuidado do nosso lar; mas nestas ocasiões, não são as paixões sensuais despertadas? Não é comum entregar-se a excessos, exibir uma má e escandalosa conduta, destruir a saúde? Não demonstra a experiência que estes dias de carnaval nunca passam sem os pecados da embriaguez e da impureza, sem levar a tristeza aos indivíduos e às famílias?

A Igreja, pelo contrário, neste momento, deseja preparar seus filhos para penitência e, consequentemente, coloca diante deles a paixão de Cristo. Como podem então católicos, a menos que negassem a sua Mãe, a Igreja, passar estes dias em festividads e na embriaguez, como se quisessem compensar antecipadamente a temporada da Quaresma que se aproxima? Estes cristãos têm o direito de se chamar discípulos de Cristo, filhos da Igreja Católica?


Muitos podem dizer: "Eu não penso nem faço mal quando me dedico a esses prazeres". Então no que pensam e o que fazem? Talvez façam o bem! Pensam em Deus, na sua salvação, nos seus deveres e nos perigos em que se encontram? Mais, estão a dedicar-se às boas obras? E não faz o mal quele que omite boas obras? Honram a Deus nos seus divertimentos? É assim que Lhe demonstram o vosso amor? Desperdiçam tempo, dinheiro, saúde e expõe-se ao perigo de perder o bom nome e a inocência; não é isto suficientemente mau? Quantos morreram em tais ocasiões, e mesmo assim não tereis aprendido a lição?

Não se desculpem dizendo que precisam de recreação; como se fosse recreação, o meio através do qual perdem alma. Sentem-se recuperados no dia seguinte?

Afastem esses prazeres perigosos! A alegria dos cristãos deve ser trabalhar e sofrer com Cristo, a fim de se alegrar eternamente com ele no reino de seu Pai.

Aspiração,

Ó Jesus, que tivesteis tão grande desejo de sofrer pelo nosso bem temporal e eterno, concedei que nós, por amor a vós, odiemos toda a sensualidade, e amemos a mortificação e a crucificação da carne, e que, portanto, mereçamos ser libertados da cegueira da alma, para conhecr-Vos melhor, amar-Vos com mais fervor e para Vos possuirmos por toda a eternidade. Amen.
[Source]

7.2.18

DIRECTÓRIO ESPIRITUAL (1868)



Para aquellas pessoas que nunca fizeram confissõo geral, nem tem direcção, as quaes se podem regular do seguinte modo:
  1. Devem escolher um Confessor de sciencia e virtude, e fazer com elle a sua confissão geral; ninguém deve socegar sem a fazer, porque as confissões de anno são quasi todas nullas.

  2. Depois devem frequentar os sacramentos todos os mezes ; e querendo caminhar á perfeição, todos os quinze dias, e Confessor certo.

  3. Respeito a communhões frequentes, só o Confessor, que as ouve com frequência, as póde determinar.

  4. A oração mental pela manhã, e a corôa á noite, bem como exame de consciência, isto todos os dias.

  5. Podendo ser, Missa diaria, novena das almas, as irmandades, e as novenas nas festividades.

  6. Nos domingos e dias santos, uma ou duas horas de lição espiritual; e não sabendo ler, ouvir ; ou o rozario de quinze mysterios; ou ir de tarde á igreja ou capella, e rezar a corôa do Santíssimo e Iminaculado Coração de Maria, ou via-sacra.

  7. Tendo saude, no inverno jejuar dous dias por semana, e no verão sequer um, isto além dos de preceito.

  8. Uma hora.de silencio por dia, ou pelo menos três ou quatro palavras de mortificação.

  9. Cilícios tres dias na semana, cada dia duas ou tres horas.

  10. Nào comer fruta dous ou tres dias por semana.

  11. Lemhrar-sc de Deos no decurso do dia, pelo menos todas as horas, e dirigir-Lhe algumas jaculatórias, islo é, certas orações ahreviadas.

  12. Nunca peccar com plena advertencia, nem venialmenle; e cahindo em alguma falta, fazer sempre alguma penitencia, e rigorosa sendo falta advertida; isto mesmo antes de ir para a conlissão.

  13. Fazer tudo por Deos, nada de respeitos humanos, tudo na pura intenção.

  14. Fugir das más companhias e de todos os divertimentos profanos.

  15. Nào tomar estado sem conselho de seu director espiritual.
Pe Manoel José Gonçalves Couto, in Missão abreviada para despertar os descuidados, converter os peccadores e sustentar o fructo das missões - 6ª edição, 1868

2.2.18

BENÇÃO das VELAS na FESTA DA PURIFICAÇÃO de NOSSA SENHORA

"Hoje também nós, com as velas acesas, vamos ao encontro d'Aquele que é ‘a Luz do mundo' e acolhemo-l'O na sua Igreja com todo o impulso da nossa fé baptismal.(...). Na tradição polaca, assim como na de outras Nações, estas velas benzidas têm um significado especial porque, levadas para casa, são acendidas nos momentos de perigo, durante os temporais e os cataclismos, em sinal da entrega de si, da família e de quanto se possui à proteção divina. Eis por que, em polaco, estas velas se chamam ‘gromnice', isto é, velas que afastam os raios e protegem contra o mal, e esta festividade é chamada com o nome de Candelária.

Ainda mais eloquente é o costume de colocar a vela, benzida neste dia, entre as mãos do cristão, no leito de morte, para que ilumine os últimos passos do seu caminho rumo à eternidade. Com esse gesto quer-se afirmar que o moribundo, seguindo a luz da fé, espera entrar nas moradas eternas, onde já não se tem ‘necessidade da luz da lâmpada nem da luz do sol, porque o Senhor Deus o iluminará'" (cf. Ap 22, 5).
"

Papa João Paulo II
02/02/1998

1.2.18

MÊS DA SAGRADA FAMíLIA

O mês de fevereiro é tradicionalmente dedicado à Sagrada Família. Entre os eventos que marcaram o Natal e o início da vida pública de Cristo, a Igreja considerou oportuno recordar o exemplo da Sagrada Família para emulação pela família cristã.

Apesar do mês da Sagrada Família ser Fevereiro, a solenidade da Sagrada Família é celebrada no domingo da Oitava do Natal ou no dia 30 de dezembro, quando o Natal calha ao Domingo. Para além da celebração desta solenidade, os fiéis recorrem frequentemente à Sagrada Família de Nazaré em muitas circunstâncias da vida: juntam-se à Associação da Sagrada Família para modelar suas próprias famílias segundo a Sagrada Família de Nazaré e fazem orações frequentes para se confiarem ao patrocínio da Sagrada Família e para obter ajuda na hora da morte:

"Amado Jesus, José e Maria dou-vos o coração e a alma minha.

Amado Jesus, José e Maria assisti-me na última agonia.

Amado Jesus, José e Martia, expire em paz entre vós a alma minha".
A liturgia da festa nos leva de volta a Nazaré, para vislumbrarmos a vida da Sagrada Família, observarmos o modelo que nos é oferecido e moldarmos as nossas vidas segundo esse exemplo.

A vida da Sagrada Família é caracterizada pelo zelo pela religião e pela oração, e pelo amor que a une. Além disso, Jesus, o Filho de Deus, mostra uma obediência respeitosa a José e a Maria. "Depois desceu com eles, voltou para Nazaré e era-lhes submisso".

O espírito da Sagrada Família e suas virtudes características são retratados nas palavras de São Paulo aos Colossenses (3: 12-17):
"Irmãos, Como eleitos de Deus, santos e amados, revesti-vos, pois, de sentimentos de misericórdia, de bondade, de humildade, de mansidão, de paciência, suportando-vos uns aos outros e perdoando-vos mutuamente, se alguém tiver razão de queixa contra outro. Tal como o Senhor vos perdoou, fazei-o vós também. E, acima de tudo isto, revesti-vos do amor, que é o laço da perfeição. Reine nos vossos corações a paz de Cristo, à qual fostes chamados num só corpo. E sede agradecidos. A palavra de Cristo habite em vós com toda a sua riqueza: ensinai-vos e admoestai-vos uns aos outros com toda a sabedoria; cantai a Deus, nos vossos corações, o vosso reconhecimento, com salmos, hinos e cânticos inspirados. E tudo quanto fizerdes por palavras ou por obras, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando graças por Ele a Deus Pai".

Um modelo inspirador, uma instrução preciosa!

Entre estas virtudes, podemos chamar atenção especialmente para:

  • a vontade e o esforço de ser de um só coração e uma alma;

  • a devoção uns aos outros, suportando as falhas uns dos outros e perdoando os erros uns dos outros;

  • a disposição para servir os outros e submeter os próprios interesses ao bem comum da família;

  • à disposição para fazer o que for necessário para fomentar a compreensão e apreciação mútuas.
A liturgia sagrada, no entanto, não se contenta em apresentar um exemplo. Abre-nos, também, as fontes necessárias para uma boa vida familiar cristã: o Santo Sacrifício da Missa, da Sagrada Comunhão e da oração.

A vida familiar cristã exige sacrifício, a renúncia aos próprios desejos e uma razoável mortificação de si mesmo. Para ser perfeita, exige uma vitória completa sobre o amor próprio. Requer um alto grau de virtude, piedade profunda e fé viva, muita oração e uma estreita união com Deus.

Nos nossos dias, os fundamentos da vida familiar foram abalados pelo divórcio e a separação. Por esta razão, a devoção à Sagrada Família de Nazaré assume um novo significado e uma nova importância. A família moderna deve novamente ser rejuvenescida e preenchida com o espírito da Sagrada Família de Nazaré. Deve recuperar o espírito de fé, o espírito de sujeição à vontade de Deus. É por essa intenção que devemos oferecer nossas orações e sacrifícios durante o mês.


 Benedict Baur, O.S.B.

26.1.18

S. Teresinha de Jesus no tempo do anticristo

"Ao pensar nos tormentos reservados aos cristãos no tempo do Anticristo, sinto o meu coração estremecer e gostaria que esses sofrimentos me fossem reservados…

Jesus, Jesus, se eu pudesse escrever todos os meus desejos, precisaria pedir emprestado o teu livro de vida, onde estão registradas as ações de todos os Santos e essas ações, gostaria de tê-las realizado para Ti…"

Sta Teresinha do Menino Jesus

15.1.18

MÊS DO SANTÍSSIMO NOME DE JESUS

Desde o séc. XVI que a piedade cristão associa cada mês a uma devoção particular.

O mês de Janeiro é dedicado ao Santíssimo Nome de Jesus, cuja festa se celebra no dia 3 deste mês.

O nome de Jesus é anunciado pelo Arcângelo Gabriel, no momento da Anunciação e da Encarnação:

Disse-lhe o anjo: «Maria, não temas, pois achaste graça diante de Deus. Hás-de conceber no teu seio e dar à luz um filho, ao qual porás o nome de Jesus” (Lc I, 31-32).

Jesus quer dizer Salvador e significa a magnitude da Sua missão. Honramos o Santíssimo Nome de Jesus porque este nos recorda todas as bênçãos que recebemos através do nosso Redentor. Para darmos graças por todas bênçãos recebidas, reverenciamos o seu Santo Nome, da mesma forma que honramos a Paixão de Cristo venerando a Sua Cruz.

Os primeiros cristão inscreviam o Santíssimo Nome de Jesus nas suas Igrejas, altares, cidades, casas e objectos utilizando vários cristogramas ou abreviaturas do Nome de Jesus: o Chi Ro (as primeiras letras de Cristo em grego), o IHS (primeiras letras de Jesus em grego, primeira e última letra da palavra latina IHesuS ou as iniciais da frase latina “Iesus Hominum Salvator”) ou o símbolo do peixe (em grego ICHTUS – que são também as iniciais de "Jesus Cristo, Filho de Deus, Salvador").


O Santíssimo Nome de Jesus, quando invocado com confiança:

  • obtém o auxílio divino nas necessidades materiais, tal como Jesus prometeu: “em meu nome expulsarão demónios, falarão línguas novas, apanharão serpentes com as mãos e, se beberem algum veneno mortal, não sofrerão nenhum mal; hão-de impor as mãos aos doentes e eles ficarão curados” (Mc XVI, 17).

    Em Nome de Jesus, os Apóstolos curaram os paralíticos -“Em nome de Jesus Cristo Nazareno, levanta-te e anda” (Act III, 6) – e deram a vida aos mortos (Act IX, 40).

  • trás consolação nas tribulações espirituais. O Santíssimo Nome de Jesus recorda ao pecador o Pai do filho pródigo e o Bom Samaritano; recorda aos justos a morte do inocente Cordeiro de Deus.

  • protege contra Satanás e os seus demónios, visto que o demónio receia o Nome de Jesus, que o venceu na Cruz.

  • obtem todas as bênçãos e graças, porque Cristo disse: “se pedirdes alguma coisa ao Pai em meu nome, Ele vo-la dará." (Jo XVI, 23). É por isso que a Igreja conclui todas as suas orações com as palavras: “Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que vive e reina convosco na unidade do Espírito Santo…”. E é por isso, também, que a Igreja administra todos os seus sacramentos, oferece todas as suas orações e bênçãos e expulsa os demónios no Santíssimo Nome de Jesus.
Por estas razões, é aconselhável:
  1. Descobrir a cabeça e dobrar o joelho ou inclinar a cabeça quando se pronuncia o Santíssimo Nome de Jesus, tal como diz S. Paulo:

    Ele, que é de condição divina,não considerou como uma usurpação ser igual a Deus; no entanto, esvaziou-se a si mesmo, tomando a condição de servo. Tornando-se semelhante aos homens e sendo, ao manifestar-se, identificado como homem, rebaixou-se a si mesmo, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz.

    Por isso mesmo é que Deus o elevou acima de tudo e lhe concedeu o nome que está acima de todo o nome, para que, ao nome de Jesus, se dobrem todos os joelhos,
    os dos seres que estão no céu, na terra e debaixo da terra
    ” (Fil II, 6-10).

  2. Recitar a Ladainha do Santíssimo Nome de Jesus.

  3. Nas necessidades invocar o Santíssimo Nome de Jesus.

  4. Não “invocar o Santo Nome de Deus em vão”.

29.12.17

Punti fermi sul Magistero (Don Angelo Citati)

[Resumo do do original italiano]

Primeiro erro: o "magisteriovacantismo"

De acordo com "magisteriovacantismo", após o Concílio Vaticano II o Magistério deixou de existir, ou porque a Sede está vacante, ou porque o Pontífice não tem a intenção de ensinar magistralmente.


  • Mas o Papa Pio XII ensina que o Magistério é a norma próxima da Fé. A Igreja não poderia sobreviver longas décadas sem ele. Portanto afirmar que o Magistério não existe (ou que existe apenas em potência e não em acto), coloca em causa indefectibilidade da Igreja.

  • Por outro lado, não podemos determinar a priori qual a autoridade de um texto promulgado pelo Papa (é o próprio Papa que o define) e mesmo no actual contexto e com alterações no conceito de Magistério ocorridas nos últimos anos (multiplicação de intervenções, diminuição da sua solenidade, aumento do número de órgãos, intenção "dialógica" e pastoral), os Papas têm continuado a recorrer ao Magistério no sentido tradicional do termo (i.e. A proclamação de Maria como Mãe da Igreja, o proclamação do Credo do Povo de Deus, a impossibilidade da ordenação de mulheres na Ordinaton Sacerdotalis, a condenação do aborto na Evangelium Vitae).

  • O facto de existirem erros ou contradições face ao passado não justifica esta posição visto que "o magistério pastoral ordinário pode conter erros ou simplesmente expressar opiniões".

    Segundo erro: "Absolutismo magisterial"

    No extremo oposto do "magisteriovacantismo" encontra-se o "absolutismo magisterial". Segundo esta posição, é suficiente que seja a autoridade legítima a publicar um documento para que a declaração aí contida seja magisterial, se imponha à consciência como indisputável, seja aceite e partilhada por todos os católicos.

    Mas:

  • o magistério tem de se expressar com verdadeira autoridade, em nome e com a autoridade de Jesus Cristo, mostrando como o ensinamento em questão tem as suas raízes na Tradição da Igreja e se encontra na continuidade do Magistério anterior.

  • às três instâncias epistemológicas de que dispõe o Católico para conhecer a verdade e orientar a sua consciência (a norma remota - a Tradição e as Escrituras, e a norma próxima - o Magistério), deve-se juntar uma quarta: a sua razão e os princípios que a governam, nomeadamente o princípio da não contradição. Daqui resulta que se uma proposição se encontra em contradição lógica com uma proposição magisterial anterior, o Católico deve em consciência rejeitá-la.


    Uma objecção: "Tradi-protestantismo" ?

    Não será esta a atitude dos protestantes que se recusam a acatar as declarações do magistério ou o acusam de trair as fontes da Revelação?

    Não.

    Os protestantes fundamentam a sua posição num critério positivo de oposição: cada fiel tem, sob a inspiração do espírito santo, a autoridade de determinar qual a é interpretação das Sagradas Escrituras e/ou da Tradição. Ou seja a razão individual torna-se o critério próximo de interpretação da Revelação

    A rejeição de proposições que contradizem o anterior magistério é um critério puramente negativo: não substitui o Magistério pela razão individual, mas precisamente porque aderiu a todas as proposições que a norma de fé próxima propõe, rejeita aquelas que as contradizem.

    O protestante pretende dispor da Autoridade para estabelecer o que faz parte da Revelação. O "tradicionalista" limita-se a recordar que aquilo que foi ensinado não pode ser simplesmente excluído e substituído pelo seu contrário ou que o que foi declarado incompatível com a o depósito da Fé não pode subitamente passar a fazer parte dele.

    Pretender negar a possibilidade deste tipo de crítica é querer elevar os detentores da Autoridade magisterial ao nível de Messias. Mas, pelo contrário, a tarefa do Magistério é transmitir, explicar, aprofundar e não inventar coisas novas. O único que pode dizer "ouvistes o que foi dito... eu porém digo-vos" é Jesus Cristo. A Revelação terminou com a morte do último apóstolo.

    Após a conclusão da Revelação, após a morte do último apóstolo, ninguém - nem mesmo o vigário de Jesus Cristo - tem autoridade para acrescentar ou modificar seja o que for.


    A verdade que se eleva entre os dois erros

  • O Magistério não deixou de existir após o Vaticano II e nos casos em que ele é verdadeiramente exercido, é requerida obediência de acordo com as diferentes graus de assentimento exigidos pela Igreja

  • Nos pontos em que o Magistério contém proposições que parecem contradizer o que foi anteriormente ensinados pelo magistério ou as suas consequências, deve-se manter o que foi ensinado pelo Magistério anterior.

  • No que respeita às questões em que não é claro que se a autoridade magisterial tradicional está a ser exercida mas em que que não é possível demonstrar contradições explicitas com o Magistério anterior, deve este magistério ser interpretado, por quem tem a devida competência para tal, à Luz da Tradição.