26.4.15

Sunday homeschool: 3.º Domingo depois da Páscoa / 3rd Sunday after Easter


Evangelho: Jo 10, 11-18

Como é que Cristo demonstra que é o bom pastor?

Fazendo todos os esforços para procurar, encontrar e trazer de volta ao caminho certo as ovelhas perdidas - isto é, os pecadores; finalmente, Ele oferece a sua vida pelo Seu rebanho, e dá-se a si próprio como seu alimento e como penhor de vida eterna (1 John V. 1[0]; Rom V. 8)

Como é que reconhecemos as ovelhas de Cristo?

(1) Porque ouvem e seguem a voz de Cristo. Por voluntariamente receberem e tentarem cumprir os Seus ensinamentos. (2) Porque obedecem à Igreja e aos seus ministros porque quem a ouve, ouve o próprio Deus, e, como diz S. Agostinho, aquele que não tem a Igreja por mãe, não pode ter Deus por Pai. (3) Pela recepção frequente e satisfeita do alimento do Bom Pastor - a santíssima comunhão. (4) Por serem pacientes e mansos, por perdoarem aos seus inimigos prontamente e decididamente. (5) Por amarem o seu próximo e por tentarem fazer entrar no rebanho aqueles que se encontram de fora.


O QUE DEVEMOS ACREDITAR SOBRE A ESPERANÇA.

"Eu entrego a minha vida pelas minhas ovelhas." Jo 10, 15.

Jesus Cristo, pela Sua morte, obteve-nos não só o perdão dos nossos pecados, não só a graça e os meios para vivermos uma vida agradável a Deus, mas também a felicidade eterna na vida que há-de vir.

Em que consiste a vida eterna?

Na clara contemplação e perfeito amor a Deus.


O que é necessário para obter a felicidade eterna

Antes que tudo, a graça de Deus, que ilumina a nossa fé, confirma a nossa esperança, inflama o nosso amor e, através dos santos sacramentos, dispensa a força necessária para fazermos o bem.

Temos que fazer mais alguma coisa?

Temos de pedir a graça de Deus, e zelosamente cooperar com ela, visto que, como diz S. Agostinho, Deus que nos criou sem nós, não pode salva-nos sem a nossa cooperação.


Quando é que devemos fazer um acto de esperança?
  1. Em tempos de tribulação e de tentação contra esta virtude.
  2. No momento da recepção dos sacramentos.
  3. Frequentemente, durante a nossa vida ordinária, e na hora da nossa morte.
[Fonte]

Acto de Esperança

Meu Deus, porque sois omnipotente, infinitamente misericordioso e fidelíssimo às Vossas promessas, eu espero da Vossa bondade que, em atenção aos méritos de Jesus Cristo, nosso Salvador, me dareis a vida eterna e as graças necessárias para a alcançar, como prometestes aos que praticassem as boas obras, que eu me proponho realizar ajudado com o auxílio da Vossa divina graça. Senhor, minha esperança, na qual quero viver e morrer: jamais serei confundido. Ámen.


Gospel: John X, 11-18

How does Christ show that He is the good shepherd?

By taking all pains to seek, to find, and to bring back to the right way the lost sheep - that is, the sinner; finally, that He offers up His life for His flock, and gives Himself to be their food, and a pledge of eternal life (1 John V. 1[0]; Rom V. 8)


How do we know the sheep of Christ?

By their hearing and following the voice of Christ. By their willingly receiving and striving to fulfil His teachings. By their obeying the Church and her ministers for whoever hears Her, hears God Himself, and, as St. Augustine says, he who will not have the Church for his mother cannot have God for his Father. By their receiving, often and gladly, the food of the Good Shepherd - the holy communion. By being patient and meek, forgiving their enemies readily and willingly. By loving their fellow-men, and by seeking to bribg into the one fold those who are out of it.



WHAT WE MUST BELIEVE CONCERNING HOPE.

"I lay down My life for My sheep." John x. 15.

Jesus Christ, by His death, has obtained for us not only for giveness of our sins, the grace and means of leading lives pleasing to God, but also eternal happiness in the life to come.


In what does eternal happiness consist?

In the clear contemplation and perfect love of God.


What is necessary to obtain eternal happiness?

Before all else, the grace of God, which enlightens our faith, confirms our hope, inflames our love, and, through the holy sacraments, imparts the strength required to do good.


Have we nothing more to do?

We must pray for the grace of God, and zealously cooperate with it, since, as St. Augustine says, though God has created us without our concurrence, yet will He not save us unless we work with Him.

When should we make an Act of Hope?
  1. In time of tribulation, and of temptation against this virtue.
  2. At receiving the holy sacraments.
  3. Frequently during our ordinary life, and at the hour of death.
[Source]

Actus Spei

Dómine Deus, spero per grátiam tuam remissiónem ómnium peccatórum, et post hanc vitam ætérnam felicitátem me esse consecutúrum: quia tu promisísti, qui es infiníte potens, fidélis, benígnus, et miséricors. In hac spe vívere et mori státuo. Amen.


20.4.15

Mundanças doutrinas e a unicidade da Igreja / Doctrinal change and the unicity of the Church

  1. A Igreja é una porque a sua fonte é a Santíssima Trindade, porque o seu fundador - Jesus Cristo, o "próprio Filho encarnado, [que] reconciliou todos os homens com Deus pela sua Cruz, restabelecendo a unidade de todos num só povo e num só Corpo" -, "graças à sua «alma»: «O Espírito Santo que habita nos crentes e que enche e rege toda a Igreja, [realizando a] admirável comunhão dos fiéis, [unindo-os] todos tão intimamente em Cristo que é o princípio da unidade da Igreja. Pertence, pois, à própria essência da Igreja que ela seja una..." [CIC 813].

  2. A unidade da Igreja é assegurada também "por laços visíveis de comunão: profissão duma só fé, recebida dos Apóstolos; a celebração comum do culto divino, sobretudo dos sacramentos; a sucessão apostólica pelo sacramento da Ordem" [CCC 815].

  3. Portanto a unidade é incompatível com a existêcia de doutrinas contraditórias:
    "[M]uito tem sido dito ... sobre a compatibilidade entre a unidade de espírito w diferentes credos. São palavras sem sentido no que respeita à Revelação divina. Cristo desceu dos céus para revelar a verdade ao homem. Se fosse possível encontrar uma diversidade e credos na sua Igreja, isto quereria dizer que a verdade que Ele revelou se tinha perdido no pântano do erro humano. Significaria que o Seu objectivo teria sido frustrado, que a Sua Igreja não seria já o pilar e fundamento da verdade."

  4. Mas aqueles que promovem "mundanças doutrinais" estão de facto a promover doutrinas que contradizem directamente aquelas que foram ensinadas desde o início da Igreja.

  5. Concluo que aqueles que promovem mudanças doutrinais estão, de facto, a conceder que a sua igreja não é Una; e se a sua igreja não una, então a sua igreja não tem a sua origem na Santíssima Trindade, o seu fundador não é Jesus e a sua alma não é o Espírito Santo. A sua igreja não é pilar e fundamento da verdade.
  1. The Church is One because her source is the Holy Trinity, because of her founder - Jesus Christ, "the Word made flesh, the prince of peace, [who] reconciled all men to God by the cross, restoring the unity of all in one people and one body" -, "because of her "soul": the Holy Spirit, dwelling in those who believe and pervading and ruling over the entire Church [bringing] about that wonderful communion of the faithful and join[ing] them together so intimately in Christ that he is the principle of the Church's unity. Unity is of the essence of the Church..." [CCC 813].

  2. Unity is assured by "visible bonds of communion: profession of one faith received from the Apostles; common celebration of divine worship, especially of the sacraments; apostolic succession through the sacrament of Holy Orders, " [CCC 815].

  3. Therefore, unity is incompatible with the existence of contradictory doctrines:
    "[M]uch has been said ... about unity of spirit being compatible with differences of creed. Such words are meaningless in reference to a Divine revelation. Christ came from heaven to reveal the truth to man. If a diversity of creeds could be found in His Church, this could only be because the truth He revealed had been lost in the quagmire of human error. It would signify that His work was frustrated, that His Church was no longer the pillar and ground of the truth."


  4. But those who promote "doctrinal changes" are in fact promoting doctrines that directly contradict the doctrines that have been taught since the beginning of the Church.

  5. I conclude that those who promote doctrinal changes are in fact conceding that their church in not One; and if their church is not one then their church does not has its origin is the Holy Trinity, its founder is not Jesus and its soul is not the Holy Spirit. Their church is not the pillar and ground of the truth.

19.4.15

Sunday homeschool: 2.º Domingo depois da Páscoa / 2ndt Sunday after Easter

Evangelho: Lc 24,35-48


Porque saúda Jesus os seus discípulos com as palavras “A paz esteja convosco” ?

  1. Porque Ele veio restaurar a paz com Deus, a paz com os outros e a paz interior que o pecado tinha destruído.
  2. Porque a paz é a marca dos filhos de Deus, tal como a discórdia é a marca dos pecadores.
  3. Porque a paz é o maior dos bens. Por isso Ele indica aos seus apóstolos que sigam o seu exemplo quando entram numa casa e ofereçam paz.
  4. Porque ele desejou encorajar os Seus discípulos a terem uma relação próxima com Ele pela Sua amabilidade.

Porque razão manteve o Nosso Salvador as marcas das Suas feridas após a Sua ressurreição ?
  1. Para demonstrar que era o mesmo corpo que tinha sido ferido durante a Sua paixão e para mostrar que Ele tinha realmente ressuscitado dos mortos.
  2. Para nos ensinar que, nós também ressuscitaremos da mesma maneira.
  3. Para nos demonstrar a grandeza do Seu amor, através do qual nos gravou, por assim dizer, nas Suas mãos e pés e no Seu coração (Isaias xlix. 16).
  4. Para nos conceder confiança na Sua infinita misericórdia e para nos encorajar a combater contra o mundo, a carne e o demónio.
  5. Para preparar um lugar de refúgio e uma fonte inesgotável de consolações para todos os que sentem tristeza, perturbação e tentação.
  6. Para aterrorizar os impenitentes a quem, no dia do juízo, Ele mostrará o quanto sofreu por eles e que foram eles a causa da sua própria destruição. Ó, procuremos pensar com frequência nas chagas de Jesus para que desta forma sejamos encorajados a levar vias piedosas aceitáveis a Deus.

INSTRUÇÃO SOBRE A LEITURA DAS SAGRADAS ESCRITURAS

"Ele abriu o seu entendimento para que pudessem compreender as Escrituras" (Lc 24, 45).

Todos podem ler e explicar as Sagradas Escrituras de acordo com a sua opinião? 


Não; isso deverá ser feito com submissão e conformidade aos ensinamentos da Igreja. As questões de fé não podem ser resolvidas apenas por referência às Sagradas Escrituras, porque estas podem ser mal interpretadas. Por esta razão a Igreja tomou a sábia decisão de fazer depender a impressão, leitura e explicação das Sagradas Escrituras da permissão de superiores espirituais legítimos.

Então o que se deve fazer se desejarmos ler as Sagradas Escrituras?

Devemos lê-las:
  1. Apenas com a permissão dos superiores eclesiásticos.
  2. Sujeitando as nossas opiniões às decisões da Igreja e à interpretação dos Padres da Igreja.
  3. Preparando-nos adequadamente, através da oração e do jejum, tal como fazia S. Tomás de Aquino, e com devoção e cuidado.

[Fonte]
Gospel: Lk XXIV, 35-48


Why does Jesus greet His disciples with the words, Peace be to you" ?


  1. Because He came to restore to men that peace with God, with themselves, with their neighbor, which sin had destroyed.
  2. Because peace is a mark of the children of God, as discord is of sinners.
  3. Because peace is the greatest of all goods. Therefore it is that He will have His apostles, after His example, give the greeting of peace on entering a house.
  4. Finally, because He desired to encourage His disciples to confidence by His friendliness.

Why did Our Saviour retain the marks of His wounds after His resurrection? 
 
  1. To show that it was the same body which had been wounded during His passion, and to show that He was really risen from the dead.
  2. To teach us that we too shall, in like manner, rise with our bodies.
  3. To make known to us the greatness of His love, through which He has graven us, as it were, on His hands and feet, and in His heart (Isaias xlix. 16).
  4. To impart to us confidence in His endless mercy, and to encourage us to combat against the world, the flesh, and the devil.
  5. To prepare a place of refuge, and an inexhaustible fountain of consolation for all the miserable, afflicted, and tempted.
  6. To terrify the impenitent, whom, on the day of judgment, He will show how much He has suffered for them, and that they have been the cause of their own destruction. Oh, let us endeavor to think often on the wounds of Jesus, that we may thereby be encouraged to lead pious lives acceptable to God.


INSTRUCTION ON READING THE SACRED SCRIPTURES

 "He opened their understanding, that they might understand the Scriptures." (Luke xxiv. 45).

 Is it free to every one to read and explain Holy Scripture according to his own opinion? 

No; that must be done with submission and conformity to the teaching of the Church. Questions of faith cannot be settled by appealing to the Holy Scriptures alone, since they themselves are liable to be misunderstood. For this reason the Church has done wisely in making the printing, reading, and explaining of Holy Scripture depend upon the permission of lawful spiritual superiors.

 What, therefore, must one do who desires to read the Holy Scriptures?

He must read them:
  1. Only with the permission of the ecclesiastical superiors.
  2. With the subjection of his own opinion to the decisions of the Church, and the interpretation of the holy fathers.
  3. With suitable preparation, by prayer and fasting, as St. Thomas of Aquinas did, and with devotion and care.


[Source]

18.4.15

Desenvolvimento doutrinal / Doctrinal development

O Concílio Vaticano I ensina quee:
"a doutrina da fé que Deus revelou é apresentada não como uma descoberta filosófica capaz de ser aperfeiçoada pela inteligêcia humana, mas como divino depósito cometido à esposa de Cristo para ser fielmente protegido e infalivelmente promulgado.

Assim também o signifacado dos dogmas divinos deverá sempre ser mantido tal como foi declarado pela Santa Madre Igreja, e nunca deverá ser abandonado este significado sob o pretexto ou em nome de um entendimento mais profundo.

Que o entendimento, conhecimento e sabedoria aumentem à medida que as eras e os séculos se desenrolam e que muito vigorosamente floresçam, em cada um e em todos, no indivíduo e em toda a Igreja: mas isto apenas de maneira apropriada, ou seja, na mesma doutrina, no mesmo sentido, e no mesmo entendimento.

... Se alguém disser que é possível que nalgum momento, tendo em conta o avanço do conhecimento, pode ser atribuído um sentido aos dogmas propostos pela Igreja que seja diferente daquele que a Igreja entendeu ou entende: que seja anátem.
".
Vatican Council I teaches that:
"the doctrine of the faith which God has revealed is put forward not as some philosophical discovery capable of being perfected by human intelligence, but as a divine deposit committed to the spouse of Christ to be faithfully protected and infallibly promulgated.

Hence, too, that meaning of the sacred dogmas is ever to be maintained which has once been declared by Holy mother Church, and there must never be any abandonment of this sense under the pretext or in the name of a more profound understanding.

May understanding, knowledge and wisdom increase as ages and centuries roll along, and greatly and vigorously flourish, in each and all, in the individual and the whole Church: but this only in its own proper kind, that is to say, in the same doctrine, the same sense, and the same understanding

...If anyone says that it is possible that at some time, given the advancement of knowledge, a sense may be assigned to the dogmas propounded by the Church which is different from that which the Church has understood and understands: let him be anathema.
".

16.4.15

A palavra de Deus nunca deixa de se cumprir / The word of God never fails to be fulfilled

Deus é fiel, - quer dizer, Ele cumpre sempre a Sua palavra.

Deus anunciou pela boca dos profetas do Antigo Testamento que, depois da morte de Nosso Senhor, o templo de Jerusalém seria completamente destruído e que não voltaria a ser reconstruido enquanto o mundo durasse.

No ano 70 D.C. os romanos conquistaram a cidade de Jerusalém, queimaram o magnífico templo e arrasaram as suas paredes.

Quase três séculos mais tarde o Imperador Juliano, o apóstata, tentou reconstruir o templo. O seu objectivo era provar que previsão de Deus era falsa. Foram reunidos trabalhadores de todas as partes, entre eles havia um considerável número de Judeus.

As paredes da nova estrutura tinham já atingido uma boa altura, para contentamento do Imperador Juliano e de todos os adversários do Cristianismo, quando um violento tremor de terra ocorreu e provocou a queda das paredes. Portanto, o júbilo dos incréus foi de curta duração.

Contudo, a tentativa não foi abandonada. Os trabalhadores retomaram o trabalho e os estragos foram rapidamente reparados. Depois, outro tremor de terra arrasou o edifício e chamas vindas dos solo completaram a destruição e forçaram os trabalhadores a fugir para muito longe.

A inutilidade de quaisquer esforços posteriores tornou.se evidente e, até hoje, um monte de ruínas marca o local onde o templo se ergueu em tempos. Assim se vê que a palavra de Deus nunca falha. - Francis Spirago
God is faithful, — that is, He always fulfills His word.

God announced by the mouth of the prophets of the Old Testament that after Our Lord's death the temple at Jerusalem should be entirely destroyed, and never be rebuilt as long as the world lasted.

In the year 70 a.d. the Romans overthrew the city of Jerusalem, burned the magnificent temple, and laid its walls even with the ground.

Nearly three centuries later the Emperor Julian the Apostate endeavored to rebuild the temple ; his design was to prove God's prediction to be false. Workmen were gathered from all parts ; amongst them were a considerable number of Jews.


The walls of the new structure had already attained a good height, to the gratification of the Emperor Julian and all the adversaries of Christianity, when a violent earthquake occurred which caused the walls to fall down. Thus the jubilation of the unbelievers was of short duration.

However, the attempt was not abandoned; the laborers resumed their work, and the damage was soon repaired. Then another earthquake razed the edifice to the ground, and flames breaking out of the earth completed the destruction, and forced the workmen to fly to a distance.

The uselessness of any further effort was evident, and to this day a heap of ruins alone marks the spot where the temple once stood. Hence we see that the word of God never fails to be fulfilled. - Francis Spirago

12.4.15

Sunday homeschool: 1.º Domingo depois da Páscoa / 1st Sunday after Easter

Evangelho: Jo 20, 19-31


Porque razão deseja Cristo a paz aos seus apóstolos?

Para mostrar que apenas Ele, pela sua morte e ressurreição, fez a paz entre Deus e o homem, e que os Seus seguidores devem ser conhecidos pela harmonia entre si (Jo 13, 35). A paz tem três facetas diferentes: paz com Deus, pela evitando o pecado; paz connosco próprios, isto é, uma boa consciência; paz com o próximo, pelo exercício da caridade. Estas três aspectos da paz são necessárias para a nossa Salvação.


Porque razão soprou Jesus sobre os Apóstolos quando lhes deu o poder de perdoar o pecado?

Para demonstrar que, da mesma forma que a vida coproral foi dada a Adão pelo sopro de Deus, também a vida espiritual seria dada a partir daí pelos apóstolos e pelos seus sucessores, atraves do Espírito Santo, no sacramento da penitência aos filhos de Adão que se encontrem espiritualmente mortos.


Porque permitiu Deus que Tomé duvidasse da ressurreição de Cristo?

Para que Tomé, tal como nós, como refere S. Gregório, fosse fortalecido na fé humilde na ressurreição de Cristo, e para que todas as dúvidas fossem removidas.


Possuía Tomé uma fé verdadeira quando, com os seus próprios olhos, viu Cristo?

Sim, porque ele viu Cristo apenas na sua humanidade e, no entanto, deu testemunho da Sua divindade ao exclamar: Meu Senhor e meu Deus !


Não estar preparado para acreditar antes de ver é um fé verdadeira e meritória?

De maneira nenhuma; porque a fé consiste precisamente em acreditar firmemente nas verdades que não se podem ver. Por isso Cristo declara bem-aventurado aquele que acreditam sem ver.


Quando é que a fé é verdadeira e meritória?

Fé verdadeira é aquela que acredita firmemente em tudo que o Deus revelou, tanto por escrito, como oralmente, e quando se vive de acordo com essa fé; porque ter simplementes fé em Jesus não nos salva quando os seus mandamentos não são cumpridos (Mt 7, 21; Tg 2, 20). Fé meritória é aquela que, sem dúvida, nem hesitação voluntariamente submete o entendimento às verdades reveladas que não entende, e isto por amor a Deus que é verdade eterna e não nos pode enganar.


Como podemos ter a certeza que Deus revelou determinadas coisas?

Através da Igreja de Cristo que, sozinha, preserva a palavra de Deus revelada fielmentes e incorruptamente, tal como se encontra contida na Bíblia e na Tradição; pelo espírito santo toda a verdade é dada à Igreja e Cristo permanece com ela até ao fim do mundo (Mt 28, 20).


Tem a Igreja de Cristo algumas marcas pelas quais pode ser reconhecida?

A Igreja de Cristo tem quatro caracteres: é Una, é Santa, é Católica e é Apostólica.


Como é que a Igreja é Una?

A Igreja é una porque todos os seus membros partilham a mesma fé, estão todos em comunhão e estão todos debaixo da mesma cabeça (Mt, 16, 18.; Ef 4, 37).


Como é que a Igreja é Santa?

A Igreja é Santa, no seu Fundador, Jesus Cristo, e por ensinar uma Santa Doutrina, por convidar todos a uma vida santa e pela eminente santidade de milhares dos seus fihos.


Como é que a Igreja é Católica?

A Igreja é Católica ou universal porque ela subsiste em todas as eras, ensina todas as nações (Mt 27, 19-20) e mantém toda a verdade.


Como é que a Igreja é apostólica?

A Igreja é apostólica porque vem de uma perpétua sucessão que se iniciou nos apóstolos de Cristo e deles recebeu as suas doutrinas, ordens e missão.


Qual é a verdadeira Igreja?

É a Igreja Católica, porque apenas ela possui estas marcas. Ela é una na sua cabeça, o Papa de Roma, na sua doutrina e nos seus sacramentos, o que é evidente visto que ela exclui todos aqueles que não aceitam os seus dogmas. Ela é santa porque Cristo, o seu fundador, é santo; e as suas doutrinas e sacramentos conduzem à santidade, como o demonstra a multidão dos seus santos cuja santidade Deus confirma através de grandes milagres. Nenhuma seita tem santos. Ela é Católica ou Universal, porque existe desde sempre, desde o tempo dos apostólos, como é claramente demonstrado pelo facto que, desde o tempo dos apóstolos, tem existido alguns que dela se separam e fundam seitas. A Igreja Católica sempre tem existido e não pode perecer ou corromper-se, visto que Cristo prometeu permanecer com ela até ao fim dos tempos; também se encontra espalhada por todo o mundo, está sempre a ser anunciada a todas as nações e serve a todas as gerações e a todos os povos. Ela é apostólica visto que não aceita doutrinas que não tenham vindo dos apóstolos, e pode provar que os ministros da Igreja, os bispos, descendem em sucessão ininterrupta dos apóstolos.


Aqueles que permanecem fora da Igreja Católica podem ser salvos?

O concílio de Trento (Sess. V. - Introdução) refere-se à fé católica como aquela sem a qual não é possível agradar a Deus, e o Catecismo Romano ensina que (I part. art. 9.): "A Igreja é sempre chamada Católica ou Universal porque todos os que desejam a salvação eterna tem de a ela estar ligados e abraçá-la, tal como aqueles que entraram na arca para não perecerem no dilúvio." De acordo com esta doutrina da Igreja, que os Santos Padres afirmam, apenas estão excluídos da salvação aqueles idólatras e heréticos obstinados que com pleno conhecimento negam a verdade e se recusam a entrar na Igreja. A Igreja Católica não condena os incréus, ela reza por eles e deixa o seu julgamento ao Senhor, o único que conhece o íntimo do coração de cada um e sabe se o erro é culpável ou não, e chama todos os seus membros a orarem pela sua iluminação.


Então será que já estamos salvos por pertencermos à verdadeira Igreja?

Não, temos também de viver de acordo com a fé que ela ensina, fazer uso de todos os meios de salvação, levar em conta e honrar todos as seus preceitos e mandamentos, porque doutra forma verificar-se-ão em nós as palavras de Cristo: "E eu digo-vos que muitos virão do oriente e do ocidente e se sentarão com Abraão, Isaac e Jacob no Reino dos Céus: mas os filhos do reino (a verdadeira Igreja) serão lançados na escuridão exterior" (Mt 7, 11.).

[Fonte]
Gospel: John XX. 19-31


Why does Christ so often wish peace to the apostles?

To show that He only, by His death and resurrection, has made peace between God and man, and that His fol­lowers should be known by their harmony. (John XIII. 35.) There is a threefold peace: peace with God, by avoid­ing sin; peace with ourselves, that is, a good conscience; peace with our neighbor, by the exercise of charity. This threefold peace is necessary for our salvation.



Why did Jesus breathe upon the apostles when giving them the power to forgive sin?


To show that as bodily life was once given to Adam by the breath of God, so should the spiritual life be given henceforth by the apostles and their successors, through the Holy Ghost in the Sacrament of Penance, to the children of Adam who were spiritually dead.



Why did God permit Thomas to doubt the Resurrection of Christ?

That Thomas, as well as we, says St. Gregory, should be strengthened in humble belief in the Resurrection of Christ, and that all doubts should be removed.


Had Thomas true faith when with his own eyes he saw Christ?

Yes, for he saw Christ only in His humanity, and yet testified to His divinity by exclaiming: My Lord and my God!



Is it true, meritorious faith not to be ready to believe before seeing that which is to be believed?

By no means; for faith consists precisely in firmly hold­ing as true that which is not seen. Therefore Christ calls him blessed who has not seen and yet believes.


When is faith true and meritorious?

That is true faith which firmly believes all that God has revealed, whether written or unwritten, and when one lives in accordance with that faith; for faith in Jesus simply does not save us, when that which He has commanded is not performed. (Matt VII, 21.; James II. 20.) That faith is meritorious which without doubting and without hesitation willingly submits the understanding to revealed truths which it cannot comprehend, and this for the love of Gods who is eternal truth and cannot deceive.


Whence do we know for certain that God has revealed certain things?

From the Church of Christ which alone preserves the revealed word of God faithfully and uncorrupted, as it is contained in the Bible and in tradition; by the Holy Ghost all truth is given to the Church, and Christ remains with her until the end of the world. (Matt. XXVIII. 20.)


Has the Church of Christ any marks by which it may be known?

Christ's Church has these four marks: it is One, it is Holy, it is Catholic, and it is Apostolic.


How is the, Church one?

The Church is one, because all its members agree in one faith, are all in one communion, and are all under one head. (Matt. XVI, 18.; Eph. IV. 37.)


How is the Church Holy?

The Church is Holy, in her Founder, Jesus Christ, and by teaching a holy doctrine, by inviting all to a holy life, and by the eminent holiness of so many thousands of her children.


How is the Church Catholic?

The Church is Catholic or Universal, because she subsists in all ages, teaches all nations, (Matt. XXVII. 19, 20.) and maintains all truth.



How is the Church Apostolic?

The Church is Apostolic, because she comes down by a perpetual succession from the apostles of Christ, and has her doctrines her orders, and her mission from them.


Which is this true Church?

The Roman Catholic Church, for she alone has these marks. She is One in her head, the Pope of Rome, in her doctrine, and in her Sacraments, which is evident since she excludes all those who do not accept all her dogmas. She is. Holy, for Christ her Founder is holy; and her doctrine and Sacraments lead to holiness, as shown by the multitude of her saints whose sanctity God arms by great miracles. No sect has saints. She is Catholic or Universal, for she has been in existence always from the times of the apostles, as is clearly shown by the fact that from the times of the apostles there have always been some who separated from her and founded sects. The Catholic Church has always existed, and cannot perish or be­come corrupt, since Christ has promised to remain with her to the end of the world; she is also spread over the whole world, is always being announced to all nations, and is fitted for all generations and for all people. She is Apostolic, for she accepts no doctrine which does not come from the apostles, and she can prove that the ministers of the Church, the bishops, have come down in unbroken succession from the apostles.




Can those who remain outside the Catholic Church be, saved?

The Council of Trent (Sess. V. in the Introduction) assigns the Catholic faith as the one without which it is impossible to please God, and the Roman Catechism teaches: (I part. art. 9.) "The Church is also called Catholic or Universal, because all who desire eternal salvation must cling to, and embrace her, like those who entered the ark to escape perishing in the flood." According to this doctrine of the Church, which the holy Fathers affirm, only those idolaters and obstinate heretics are excluded from salvation who knowingly deny the truth, and will not enter the Church. The Catholic Church does not condemn the unbelievers, she prays for them, leaves judgment to the Lord, who alone knows the heart, and knows whether the error is culpable or not, and she calls on all her, members to pray for their enlightenment.



Are we then already saved, if we belong to the true Church?

No, we must also live up to the faith which she teaches make good use of all means of salvation, regard and honor all her regulations and commands, for otherwise the words of Christ will be verified in us: "And I say to you that many shall come from the east and the west, and shall sit down with Abraham, and Isaac, and Jacob, in the kingdom of heaven: but the children of the kingdom (the true Church) shall be cast out into exterior darkness" (Matt. VIII. 11.)

[Source]

11.4.15

Misericórdia para todos / Mercy for all

Uma noite, uma mulher, marginalizada e grande pecadora, passou por uma Igreja e, vendo uma multidão compacta a entrar, juntou-se a ela. Houve um serviço de vésperas e depois um um sermão sobre a bondade de Deus em relação aos pecadores; no decurso da sua intervenção o pregador repetiu insistentemente e com ênfase: "Com Deus existe misericórdia e perdão para os piores pecadores, bastando apenas que eles se arrependam." Quando a congregação se dispersou, a mulher deixou-se ficar e, aproximando-se do sacerdote, disse: "Padre, pode ouvir a história da minha vida e depois dizer-me se existe esperança de perdão para mim?" Ele pediu-lhe que entrásse no confessionário e, ali chegada, a pobre criatura, vítima da malícia de outrém, derramou a sua confissão e a sua intensa e sentida dor. Como a noite estava muito fria e um regresso aos seus habituais aposentos estava fora de questão, foi-lhe permitido passar a noite na Igreja aquecida, e foi aí que de manhã, aos pés da estátua de Jesus, encontraram o seu corpo sem vida, com um sorriso agradecido e uma expressão de paz no seu rosto cansado. - Francis Spirago One night a woman, a social outcast and a great sinner, was passing a church, and, seeing a throng going in, she joined them. There was a vesper service, and then a sermon on God's goodness to sinners ; and in the course of his remarks the preacher repeated often and with emphasis: "With God there is mercy and pardon even for the worst of sinners, if they will only repent." When the congregation had dispersed the woman lingered, and presently approaching the priest, she said : "Father, will you listen to the story of my life, and then tell me if there be hope of pardon for me ? " He bade her enter the confessional, and there the poor creature, the victim of another's malice rather than her own, poured out her confession, and her heartfelt sorrow. As the night was bitterly cold, and a return to her former abode out of the question, she was permitted to stay overnight in the warm church, and there in the morning, at the foot of the statue of Jesus, they found her dead body, with a smile of thankfulness and peace on her poor worn features. - Francis Spirago

8.4.15

St. Thomas Aquinas Vs. Team Bergoglio: the spiritual sense of holy writ and the unholy interpretations of "Team Bergoglio"

De quando em vez, alguns dos membros do Team Bergoglio começam a entoar em coro uma nova justificação para a revolução doutrinal em curso.

A mais recente ofensiva partiu de um suplente, o Cardeal Bráz de Avis, que numa entrevista afirmou:
"o Papa não pode jamais mudar o ensinamento de Jesus. Mas pode mudar a interpretação"
Ou seja, o que hoje é verdade amanhã é mentira e vice-versa, tudo dependendo da "interpretração" que der jeito ao Pontífice (progressista) que ocupar a Cátedra de S. Pedro o momento.

É um argumento muito fraquinho. Nem valeria a pena chamar o S. Tomás de Aquino para explicar o erro. Mas acontece que o Papa Francisco, numa das suas inúmeras entrevistas, manifestou grande admiração pelo tomismo - "A Igreja viveu tempos de genialidade, como, por exemplo, o do tomismo", afirmou o pontífice. Por isso, tavez valha a pena por o Santo a falar sobre a matéria:
"O autor das Sagradas Escrituras é Deus, que tem o pode de dar a entender o que pretende, não apenas por palavras (como faz o homem), mas através das próprias coisas... Desta forma, o primeiro significado, através do qual as palavras significam coisas, pertence ao primeiro sentido, o sentido histórico ou literal. Aquele significado através do qual as coisas signiifacdas pelas palavras tÊm elas prórpias uma signiifcado é chamado o sentido espiritual, que é baseado no literal, e o pressupõe...

A multiplicidade destes sentidos não produz equívocos nem qualquer outra multiplicidade, visto que estes sentidos não se multiplicam porque uma palavra tem vários significados, mas porque as coisas significadas pelas palavras podem ser elas próprias tipos de outras coisas. Desta forma, nas Sagradas Escrituras não existe confusão, porque todos os sentidos se fundam apenas num — o literal — o qual será a base de qualquer argumento, e não daqueles sentidos alegóricos, como diz Agostinho (Epis. 48). Contudo, nada da Sagrada Escritura perece por causa disto visto que não há nada que seja necessário para a Fé que esteja contido no sentido espiritual que não esteja também contido no sentido literal noutra parta das Escrituras
." [ST I, Q.1, 10]

Every now and then the members of "Team Bergoglio" start parroting a new line in defense of doctrinal revolution.


This time it was Cd. Bráz de Avis, one of "Team Bergolgio"'s waterboys, which stated that:
"the Pope can never change the teachings of Jesus. But he can change its interpretration"
So, what is true one day can become a lie in the next day, and vice-versa, depending on the "interpretation" of the (progressive) Pontiff that occupies St. Peter's chair at a given time.


It's a very weak proposition. It wouldn't even be necessary to call on St. Thomas Aquinas to expose the obvious underlying error. But it so happens that Pope Francis, in one of his many interviews, professed great admiration for Thomism - "The church has experienced times of brilliance, like that of Thomas Aquinas", stated the pontiff. So it might be useful to let the Saint's voice be heard without further comment:
"The author of Holy Writ is God, in whose power it is to signify His meaning, not by words only (as man also can do), but also by things themselves. ...Therefore that first signification whereby words signify things belongs to the first sense, the historical or literal. That signification whereby things signified by words have themselves also a signification is called the spiritual sense, which is based on the literal, and presupposes it...

The multiplicity of these senses does not produce equivocation or any other kind of multiplicity, seeing that these senses are not multiplied because one word signifies several things, but because the things signified by the words can be themselves types of other things. Thus in Holy Writ no confusion results, for all the senses are founded on one — the literal — from which alone can any argument be drawn, and not from those intended in allegory, as Augustine says (Epis. 48). Nevertheless, nothing of Holy Scripture perishes on account of this, since nothing necessary to faith is contained under the spiritual sense which is not elsewhere put forward by the Scripture in its literal sense." [ST I, Q.1, 10]

6.4.15

Outra segunda-feira santa / Another holy monday

Um dia, Jesus Cristo concedeu a Sta. Mechtildes uma visão da Glória do Céu. Enquanto a Santa tudo observava atentamente e em êxtase, desejando interiormente que chegasse o feliz dia em ela pudesse também gozar da felicidade dos Santos, ouviu uma voz que parecia originar da multidão dos bem-aventurados e que dizia:

"Ó três vezes abençoada por estares ainda no mundo, porque está ao teu alcance aumentar a tua glória e mérito eternos. Se os homens soubessem o quanto podem aumentar o seu mérito em cada dia que passa, nunca acordariam de manhã sem que os seus corações estivessem cheios de gratidão por Deus, na Sua bondade, lhes ter concedido mais um dia para eles aumentarem a sua Glória no Céu, o seu lar eterno. Este pensamento deveria ser suficiente para os fortalecer em todas as suas dificuldades e tribulações, e para lhes dar coragem para viverem de forma mortificada, visto que todas essas pequenas coisas lhes trarão grandes benefícios na eternidade." — Chisholm.
Jesus Christ one day gave S. Mechtildes a view of the glory of Heaven. And as she was gazing on it in rapture, and wishing that the happy day were come when she also would enjoy the happiness of the Saints, she heard a voice that seemed to come from the immense multitude of the blessed, saying:


"O thrice happy you who still live in the world, because it is in your power to increase your glory and your merit for ever. If men did but know how much they might increase their merit every day, they would never awake in the morning without their hearts being filled with gratitude to God for His goodness in giving them another day in which they might increase their glory for Heaven, their eternal home. This thought alone ought to be sufficient to strengthen them in all their difficulties and trials, and to give them courage to lead a mortified life, since each one of these things is of so much avail for them in eternity." — Chisholm.

4.4.15

Novas religiões / New religions

Reveillere tentou introduzir uma nova religião [o culto da deusa razão] depois da Revolução Francesa, mas queixou-se a Barras, um famoso revolucionário, que os seus discípulos não pareciam crescer em número, enquanto que os discípulos de Jesus Cristo eram extremamente fiéis ao seu Mestre apesar deste lhes impor apenas privações. "Bom, eu por mim não acho nada estranho", respondeu Barras, rindo-se, "e posso até dar-te um conselho sobre a matéria". "Que conselho é esse, cidadão?", perguntou o sumo sacerdote. "É este: faz-te matar numa Sexta-Feira, deixa que te enterrem num Sábado e faz os possíveis por ressuscitares no Domingo; dou-te a minha palavra que as pessoas acreditarão na tua nova religião de imediato". Reveillere decidiu não seguir este conselho, como era expectável, e actualmente tanto ele como a sua seita são completos desconhecidos. — Hebrard. Reveillere endeavoured to introduce a new religion [the cult of the godess reason], after the French Revolution, but complained to Barras, a famous revolutionary, that his sectaries did not seem to increase in numbers, whereas the disciples of Jesus Christ were so faithful to their Master, who nevertheless, imposed upon them only privations. "Well! as for me, I do not wonder," replied Barras, laughing, "and I can give you a piece of good advice on this head." "What is that, citizen?" asked the High Priest. "Here it is; have yourself killed on Friday, let them bury you on Saturday, try your best to rise on Sunday morning; and, take my word for it, people will immediately believe in your new religion." La Reveillere did not choose to follow this advice, as you may well suppose, and now both himself and his sect are quite forgotten. — Hebrard.