1.6.09

No mundo, mas não do mundo ...

  • "... tanti prodotti inquinanti la mente e il cuore che circolano nelle nostre società - ad esempio immagini che spettacolarizzano il piacere, la violenza o il disprezzo per l’uomo e la donna - a questo sembra che ci si abitui senza difficoltà.

    ... tutto ciò inquina, intossica l’animo soprattutto delle nuove generazioni, e finisce poi per condizionarne la stessa libertà.

    ... quanto invece sia prezioso respirare aria pulita, sia con i polmoni, quella fisica, sia con il cuore, quella spirituale, l’aria salubre dello spirito che è l’amore!"

    Papa Bento XVI, 30/05/2009


  • "Os primeiros cristãos ... Submersos na massa hostil, não procuraram no isolamento o remédio para o contágio e a garantia para a sobrevivência; eram conscientes de serem fermento de Deus, e a sua ação calada e eficaz acabou por transformar aquela mesma massa...

    ... NEM AS MURMURAÇÕES e calúnias, nem o próprio martírio, conseguiram que os cristãos se fechassem em si mesmos, se isolassem do seus concidadãos e se sentissem exilados no seu próprio meio social. Mesmo nos momentos mais duros da perseguição, a presença cristã no mundo foi viva e operante... os intelectuais, como Justino, com os seus escritos cheios de ciência e de senso comum; as mães de família, certamente com as suas conversas amáveis e com o seu exemplo de vida...

    E foi no meio desse vendaval de contradições que viveram com especial empenho o mandamento novo de Jesus: “Foi por meio do amor que eles abriram caminho naquele mundo pagão e corrompido”. “É sobretudo esta prática da caridade que nos imprime um selo peculiar aos olhos de muitos. Vede como se amam, dizem de nós, já que eles se odeiam mutuamente. E como estão dispostos a morrer uns pelos outros, quando eles estão antes preparados para se matarem uns aos outros”, escreveu-nos Tertuliano.

    Os cristãos não reagiram com rancor ante os que de uma forma ou de outra os maltratavam. E, como os nossos primeiros irmãos na fé, também nós devemos procurar afogar o mal em abundância de bem."

  • Um milhão de terços por Portugal.
Pronto. Agora, só falta o mais difícil.

Sem comentários: