23.6.09

Spain’s Catholic Church fights Socialists’ abortion law reforms

The Times, June 22, 2009:
"The Spanish Bishops’ Conference (CEE) urged all Catholic MPs in the Lower House to vote against a Bill to allow abortion on demand. Bishop Juan Antonio Martínez Camino said: “Strict church doctrine says no true Catholic believer can agree with or support this move.”

Bishop Camino said those who participated in abortion would be immediately excommunicated.

Under the proposed reforms, abortion would be available on demand up to the 14th week of gestation. The new legislation would also offer abortion up to 22 weeks if a doctor certified a threat to the mother’s health or a risk of foetal malformation."
Se a Espanha - com todos os seus Santos, Mártires, Fundadores, Ordens, movimentos e, pelos vistos, bispos -, não se distingue já da Holanda e dos EUA ...

2 comentários:

Jose Simoes disse...

"Bishop Camino said those who participated in abortion would be immediately excommunicated"

Nunca percebi isto. Quem votar a favor da lei ( mas nunca tenha qualquer participação em nenhum aborto) também é excomungado?

José Simões

Joao disse...

O princípio geral, está exposto no Catecismo da Igreja Católica:

"1868. O pecado é um acto pessoal.

Mas, além disso, nós temos responsabilidade nos pecados cometidos por outros, quando neles cooperamos:

– tomando parte neles, directa e voluntariamente;
– ordenando-os. aconselhando-os, aplaudindo-os ou aprovando-os;
– não os denunciando ou não os impedindo, quando a isso obrigados;
– protegendo os que praticam o mal.
"

Votar a favor da liberalização do aborto é uma forma de cooperação com o aborto sob muitas das formas mencionadas neste ponto do Catecismo.

No caso concreto, e tendo em conta a gravidade do caso, a Igreja impôs uma penalidade canónica automática - a excomunhão - a quem coopera com o aborto (Ver Código de Direito Canónico, Can. 1399, que determina a excomunhão automática de todos os que procuram um aborto, e Can. 1329 §2, que atribui a mesma pena a todos aqueles sem a colaboração dos quais o delito não teria sido cometido).