9.8.09

O Mais Pestífero dos Vírus

Nuno Serras Pereira, 07. 08. 2009:
"Importado de fora, do estrangeiro, onde os seus efeitos contagiosos e letais são evidentes, foi perversamente cultivado nas provetas maçónicas e materialistas dos que exercem o seu domínio tirânico sobre as gentes desta nação. Este vírus de mistura com toxinas bárbaras e cruéis apresenta-se publicamente com ares sedutores de saúde, progresso, liberdade e grandes promessas de felicidade. Não obstante, o seu hálito asqueroso é funesto e mortal.

Alguém ainda esperou que a presidência da república, garante que deveria ser do bem comum, estorvasse a sua propagação, alertando os portugueses para os efeitos nefandos da sua disseminação. No entanto, como muitos já calculavam, em virtude dos antecedentes de Aníbal Silva, não só se recusou a tomar as medidas necessárias para evitar o contágio como, pelo contrário, escancarou as portas que garantem a sua difusão, tornando obrigatória a sua inoculação.

Esta deseducação compulsiva e obscena da sexualidade, nas escolas, conduzirá infalivelmente à corrupção da inocência das crianças, adolescentes e jovens descambando derrancada e venenosamente num aumento exponencial do número de abortos, de gravidezes adolescentes, das doenças sexualmente transmissíveis, do cancro da mama e do colo do útero e do ânus, dos divórcios, das práticas sodomitas e bissexuais, etc.

Daqui, como Sacerdote Católico, advirto a todos, porque todos serão rigorosamente julgados por Deus, independentemente da sua confissão religiosa, que não permitam, de modo nenhum, que os vossos filhos padeçam o gravíssimo abuso de assistirem a essa auto-denominada “educação sexual”. Deus pedir-vos-á contas da formação dos vossos filhos. E com Deus não se brinca. Nem seria necessário adiantar isto, uma vez que qualquer pai que ame, ainda que medianamente a seus filhos, naturalmente empregará todo o seu vigor e forças para o arrebatar a esta armadilha demoníaca.

Entretanto, se dúvidas houvera, esta promulgação, por parte do presidente da república é, infelizmente, mais uma confirmação de que estamos perante o pior presidente que Portugal alguma vez teve, ou seja, nenhum outro concedeu a sua cooperação formal a calamidades tamanhas como este.

Enquanto aos partidos políticos temos o direito de exigir clareza e compromissos verdadeiros com a mudança deste estado de coisas a que Sócrates e Cavaco nos têm conduzido. O facto de um partido ser próximo, por que da mesma família política e pelos laços de amizade da sua líder com Cavaco, do presidente requer da nossa parte maior cautela e exigência, devido ao historial desta presidência, nas garantias que têm que nos ser dadas para podermos ou não votar nesse partido."

6 comentários:

Jose Simoes disse...

"todos serão rigorosamente julgados por Deus, independentemente da sua confissão religiosa"

Umas dúvidas que me atormentam na interpretação do que está acima:

Nesse julgamento, ter comido carne de porco conta como pecado?

Nesse julgamento ser bígamo é pecado?

Posso concluir que quem não tem confissão religiosa nenhuma não é julgado?

José Simões

Orlando disse...

Vou-me abster de comentar como quereria o comentário do José Simões porque me encontro em blogue alheio. Mas já que ele pergunta, quer saber. Por isso, vamos saber se a verdade existe e qual é o estado actual da ética. Pode ser que o Zé aprenda alguma coisa, depois de fazer derreter o alcatrão que serve de interface superior entre a mioleira e a tampa craniana.

Jose Simoes disse...

O meu texto (que inicia esta linha de comentários) é apenas um pedido de esclarecimento a quem escreveu ou citou o texto do qual eu retirei um bocadinho que pus entre aspas no início.

Ninguém indicará certamente que as minhas 3 questões são complicadas e que pedem mais que um SIM/NÃO.

Se apesar disso não obtenho uma resposta simples e directo concluo que, como pensava, o texto é nulo.

José Simões

Alma peregrina disse...

Caro José Simões:




"Ninguém indicará certamente que as minhas 3 questões são complicadas e que pedem mais que um SIM/NÃO."

Mas eu indico-o.

Exceptuando a 3ª questão (cuja resposta é "Não") as outras 2 questões respondem-se com um "Depende".




"Se apesar disso não obtenho uma resposta simples e directo concluo que, como pensava, o texto é nulo."

É muito conveniente nulificar um texto apenas porque não corresponde a uma condição que você próprio introduziu.

Não existe uma resposta simples e directa para as suas questões. Nós nunca pretendemos isso. Se você pensa que isso nulifica alguma coisa, então esteja à vontade.

Mas você vir fazer-nos perguntas e depois exigir-nos que respondamos Sim/Não apenas demonstra que você estava mais preocupado em nulificar o texto do que em compreendê-lo.

Nesse caso, não há nada que possamos fazer por si.




Pax Christi

Jose Simoes disse...

Citando:

Exceptuando a 3ª questão (cuja resposta é "Não") as outras 2 questões respondem-se com um "Depende"

Fim de citação

Acredita mesmo que

"todos serão rigorosamente julgados por Deus, independentemente da sua confissão religiosa"

nalguma circunstancia, o facto de ter comido carne de porco contará como um agravante???

José Simões

Alma peregrina disse...

Caro José Simões:

"Acredita mesmo que todos serão rigorosamente julgados por Deus, independentemente da sua confissão religiosa?"

Sim.

Independentemente da sua confissão religiosa, cada Ser Humano tem consciência do Bem e do Mal.

Conforme a confissão religiosa de cada um (e a honestidade com que a segue), a responsabilidade que lhe é imputável é diferente... o que não significa que haja alguém que fique por julgar.



"nalguma circunstancia, o facto de ter comido carne de porco contará como um agravante???"

Sim.

Nos casos em que Deus o ordenou explicitamente.

Ou seja, um judeu que coma carne de porco tem aí uma agravante.

Um cristão que coma carne de porco numa 6ª feira santa tem aí uma agravante.

Um ateu ou um pagão que comam carne de porco não têm qualquer agravante.

A restrição à ingestão de certas carnes foi uma Lei introduzida por Deus àqueles que mais próximos Lhe estavam, a fim de que estes crescessem em disciplina e em compreensão dos Seus mistérios. Só a quem foi imposta essa restrição, será a quebra dessa restrição julgada.

No entanto, até os ateus serão julgados. Porque, embora Deus não exija aos ateus que se abstenham de carne de porco, a verdade é que Deus exige dos ateus o mínimo ético e moral indispensável.

Os ateus devem, por exemplo, evitar que os seus filhos recebam uma lavagem cerebral ideológica que os possa evitar de descobrir a felicidade e a elevação moral e intelectual que advém da prática da castidade. Devem evitar que os seus filhos fiquem viciados numa sexualidade desligada dos afectos, cuja única responsabilidade é eliminar as consequências de actos tomados livremente. Em suma, devem educar bem os seus filhos. E serão julgados por isso.

Se quiser saber mais sobre este tema, pode ler aqui o que os cristãos acreditam sobre o assunto

http://en.wikipedia.org/wiki/Natural_law

http://en.wikipedia.org/wiki/Natural_law



Pax Christi