6.11.12

CONTRA Obama

Este blog tem um grande número de visitantes que se encontram do outro lado do Atlântico na auto-desiganda Land of the Free, Home of the Brave. Os grandes meios de comunicação americanos - os principais concorrentes deste blog - têm o hábito de apoiar (explicitamente)um candidato presidencial.

Os editores deste blog, ouvido o conselho de redacção e a comissão de trabalhadores, decidiu seguir o exemplo da concorrência e (não) apoiar um candidato. Este será o post que irá quebrar o "empate técnico" e decidir definitivamente as eleições presidenciais americanas.


No que diz respeito à participação dos católicos na política, existem princípios morais que não admitem abdicações, excepções ou compromissos de qualquer espécie. Perante essas exigências éticas fundamentais e irrenunciáveis, os crentes têm, efectivamente, de saber que está em jogo a essência da ordem moral, que diz respeito ao bem integral da pessoa.

É o caso das leis civis em matéria de aborto e de eutanásia... Analogamente, devem ser salvaguardadas a tutela e promoção da família, fundada no matrimónio monogâmico entre pessoas de sexo diferente e protegida na sua unidade e estabilidade, perante as leis modernas em matéria de divórcio... Igualmente, a garantia da liberdade de educação... é um direito inalienável... No mesmo plano, devem incluir-se a tutela social dos menores e a libertação das vítimas das modernas formas de escravidão (pense-se, por exemplo, na droga e na exploração da prostituição). Não podem ficar fora deste elenco o direito à liberdade religiosa e o progresso para uma economia que esteja ao serviço da pessoa e do bem comum, no respeito da justiça social, do princípio da solidariedade humana e do de subsidariedade... Como não incluir, enfim, nesta exemplificação, o grande tema da paz? ...
.

Ora o Obama impôs o chamado "contraceptive madate" que obriga as instituições da Igreja (escolas, hospitais, universidades) e, mais geralmente, as instituições que sejam propriedade de católicos, a oferecerem seguros de saúde que cubram a esterelização, drogas e dispositivos abortivos e contracepção.

Isto é um ataque violento contra os princípios morais e contra a liberdade da Igreja e dos católicos e, caso não seja revertido, implicará a diminuição da presença da Igreja na sociedade.

Os Bispos americanos, numa demonstração sem precedente de unidade, estão activamente a combater estas medidas, mas até agora sem resultados práticos.

Em segundo lugar, o Obama fez inscrever no seu programa eleitoral o "casamento gay".

Em terceiro lugar, o Obama conta entre os seus mais ferrenhos apoiantes as multinacionais do aborto.

Em quarto lugar, através da sua política externa, o Obama tem imperialmente promovido a agenda do "lobby gay" e das multinacionais abortistas recorrendo a fundos públicos e também a imorais pressões políticas e económicas, especialmente no chamado 3.º mundo.

Por estas razões, este blog não apoia a re-eleição do Obama.


P.S. O facto do blog estar contra o Obama não quer dizer que apoie outros candidatos, embora reconheça que o Obama seria a pior escolha possível.

Sem comentários: