1.5.13

Papa Franciso: "tantas pessoas que se encontram desempregadas, muitas vezes por causa de uma concepção económica que busca somente o lucro egoísta"

"Queridos irmãos e irmãs,

hoje dia Primeiro de Maio celebramos a festa de São José Operário, e iniciamos o mês tradicionalmente dedicado a Nossa Senhora. Neste nosso encontro gostaria de vos falar sobre estas duas figuras assim tão importantes na vida de Jesus, da Igreja e da nossa vida com dois breves pensamentos: o primeiro sobre o trabalho e o segundo sobre a contemplação de Jesus."

A figura de São José remete-nos à dignidade e importância do trabalho, pois foi com o seu pai adotivo que Jesus aprendeu a trabalhar.

"Jesus nasce e vive numa família, na Santa Família, aprendendo de São José a profissão de carpinteiro, na oficina de Nazaré, partilhando com ele o empenho, o trabalho, a satisfação e também as dificuldades de todos os dias. Isto chama-nos a atenção para a dignidade e a importância do trabalho."

De facto, o trabalho enche o homem de dignidade e, em certo sentido, o assemelha a Deus que, como se lê na Bíblia, “trabalha sempre” (cf. Jo 5,17). Isso leva-nos a pensar em tantas pessoas que se encontram desempregadas, muitas vezes por causa de uma concepção económica que busca somente o lucro egoísta.

"...penso em todos aqueles, que não são só jovens, que estão desempregados, muitas vezes devido a uma concepção economicista da sociedade, que procura o proveito egoísta, não respeitando os parâmetros da justiça social:"

"Gostaria de dirigir-me em particular a vós jovens: empenhai-vos no vosso dever quotidiano, no estúdo, no trabalho, nas relações de amizade, na ajuda aos outros; o vosso futuro depende também da como saibais viver estes preciosos anos de vida. Não tenhais medo do empenhamento, do sacrifício e não olhais com medo para o futuro; mantenham viva a esperança: há sempre uma luz no horizonte."

Também São José teve de enfrentar momentos difíceis, saindo vencedor pela confiança em Deus que nunca nos abandona. Ao lado de São José, Nossa Senhora acompanhava com carinho e ternura o crescimento do Filho de Deus feito homem. Desta forma, o Papa Francisco entrou no seu segundo pensamento desta catequese ao referir que São José e Nossa Senhora tinham um centro comum de atenções que era Jesus. No Evangelho de Lucas podemos ler duas vezes na atitude de Maria e também de José onde se lê: "Guardava todas estas coisas no seu coração". Para escutar o Senhor é preciso aprender a contemplá-lo, a perceber a sua presença constante na nossa vida. É preciso parar para dialogar com Ele; é preciso rezar:

"Recordemo-nos mais do Senhor no nosso dia-a-dia. Durante este mês de maio gostaria de chamar a atenção para a atenção para a importância e a beleza da oração do Santo Rosário. Recitando a Ave Maria somos conduzidos a contemplar os mistérios de Jesus, a refletir sobre os momentos centrais da sua vida, para que, como para Maria e José, Ele seja o centro dos nossos pensamentos, das nossas atenções e das nossas acções."

Sem comentários: