3.5.15

Catequese familiar: Domingo V da Páscoa

EVANGELHO: Jo 15, 1-8

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Eu sou a verdadeira vide e meu Pai é o agricultor. Ele corta todo o ramo que está em Mim e não dá fruto e limpa todo aquele que dá fruto, para que dê ainda mais fruto. Vós já estais limpos, por causa da palavra que vos anunciei. Permanecei em Mim e Eu permanecerei em vós. Como o ramo não pode dar fruto por si mesmo, se não permanecer na videira, assim também vós, se não permanecerdes em Mim. Eu sou a videira, vós sois os ramos. Se alguém permanece em Mim e Eu nele, esse dá muito fruto, porque sem Mim nada podeis fazer. Se alguém não permanece em Mim, será lançado fora, como o ramo, e secará. Esses ramos, apanham-nos, lançam-nos ao fogo e eles ardem. Se permanecerdes em Mim e as minhas palavras permanecerem em vós, pedireis o que quiserdes e ser-vos-á concedido. A glória de meu Pai é que deis muito fruto. Então vos tornareis meus discípulos». Palavra da salvação.


Pensa-se que estas palavras de Jesus tenham sido pronunciadas no caminho entre o local da Última Ceia e o Jardim das Oliveiras. O Evangelho deste Domingo é a alegoria da videira e dos ramos (ou das varas ou dos sarmentos) (Nota: uma alegoria é uma sucessão de metáforas): (1) Deus é o agricultor; (2) Jesus, o filho de Deus Encarnado, é a videira; (3) os baptizados, o povo de Deus, são os ramos; (4) a videira e os ramos - Jesus e os baptizados são a Igreja; (5) A seiva que corre na videira é a vida da Graça.

O que é a Graça ?

A Graça é um dom de Deus de ordem sobrenatural e interior, concedido pelos méritos de Jesus Cristo, para nossa Salvação.

Quem são aqueles ramos que secam e são lançados ao fogo para arderem ?

São as pessoas os que estão separadas de Jesus pelo pecado mortal. Aqueles que morrem sem estar na Graça de Deus (i.e. sem terem confessado contritamente todos os seus pecados mortais), são lançados no inferno.

O que é o pecado mortal e o que é o inferno?

O pecado mortal é (1) uma desobediência à Lei de Deus em matéria grave, (2) feita com plena advertência e (3) consentimento deliberado.

O inferno é o sofrimento que consiste na privação de Deus, nossa felicidade, e no fogo com todos os outros males, sem bem algum.

Quem são os ramos que não dão fruto e que são cortados ?

São aqueles baptizados que, possuindo a fé, não praticam a caridade. São ramos que estão unidos à videira por vínculos externos mas não dão frutos de caridade, de boas obras, de apostolado (i.e. tentando trazer os outros a Jesus e à sua Igreja).

Isto ensina-nos também a Epístola de São Tiago ao dizer que não basta a fé (lac 2,17). Embora seja certo que a fé é o começo da salvação, e sem a fé não podemos agradar a Deus, também é verdade que a fé viva há-de dar o fruto das obras. «Porque em Cristo Jesus nem a circuncisão nem a incircuncisão têm valor, mas somente a fé que actua pela caridade» (Gal 5,6)... Assim pois, pode dizer-se que para dar frutos agradáveis a Deus não basta ter recebido o Baptismo e professar externamente a fé, mas é preciso participar da vida de Cristo pela graça e colaborar na Sua obra redentora.

Porque diz Jesus que o Agricultor "limpa (poda) todo aquele que dá fruto, para que dê ainda mais fruto" ?

Os ramos que dão fruto são aqueles cristãos que, cheios de fé, praticam as boas obras. A poda dos ramos são os sofrimentos, as dificuldades, as contradições, as tentações que Deus permite que estas pessoas sintam nas suas vidas com o objectivo de purificar os seus corações dos afectos terrenos, de as tornar mais santas, de aumentar o seu mérito, a sua Glória eterna. A planta que é podada também cresce mais vigorosamente e dá mais frutos.

A nossa Salvação depende da Graça Divina - "Sem Mim nada podereis fazer". Mas Deus quis que salvar-nos com a nossa cooperação, nomeadamente com a nossa perseverança no meio das dificuldades.



INSTRUÇÃO SOBRE AS BOAS OBRAS

O que são as boas obras?

São todas as acções humanas realizadas de acordo com a vontade de Deus, e por amor a Deus, com a ajuda da Graça.

Quais são as principais boas obras?

A oração, o jejum e a esmola. A oração incluindo todos os actos que pertencem ao serviço de Deus; o jejum e todas as mortificações corporais; a esmola e todas as obras de misericórdia.

Quantas são as obras de misericórdia?

Duas: corporais e espirituais.

Quais são as obras de misericórdia espirituais?

Aquelas que têm por objecto a salvação do próximo: 1) corrigir o pecador; 2) ensinar os ignorantes; 3) dar bom conse­lho; ; 4) consolar os tristes; 5) sofrer com paciência as fraquezas do próximo; 6) perdoar as injúrias; ; 7) rezar a Deus por vivos e defuntos.

Quais são as obras de misericórdia corporais?

1) dar de comer a quem tem fome; 2) dar de beber a quem tem sede; 3) vestir os nus; 4) dar pousada aos peregrinos; 5) assistir os enfermos; 6) visitar os presos; 7) enterrar os mortos.

O que é necessário para que as nossas obras sejam meritórias?

1) Têm que ser boas em si mesmo; 2) Têm de ser feitas pela Graça de Deus; 3) Em estado de graça; 4) de livre vontade; 5) Com a boa intenção de ser agradável a Deus.

Podemos ser salvos sem as boas obras?

Não, porque Cristo disse expressamente: "Ele corta todo o ramo que está em Mim e não dá fruto ... será lançado fora... ao fogo". E o que servo no Evangelho (Matt. xxv. 25) nem desperdiçou o seu talento, nem o pôs no banco, mas enterrou-o e escondeu o dinheiro do seu Senhor e que, portanto, foi lançado nas trevas exteriores.

Sem comentários: